No Dia dos Avós, leia 3 livros infantis sobre as avós

1. Vó Coruja

vo-coruja

Ah, se todo idoso fosse tratado como são tratados os mais velhos nas aldeias indígenas… Escrito com a sabedoria de Daniel Mundukuru e a poesia de Heloisa Prieto, Vó Coruja fala de Irani, uma senhora de longos cabelos brancos que conhece todos os segredos do mundo. Durante uma festa de aniversário, ela conta aos netos cinco lendas indígenas tão gostosas de ler que parece que a gente se transporta para aquela rodinha de conversa, à beira do rio, de onde é possível escutar, ao longe, as celebrações de uma festa de aniversário. Importantíssimo para desenvolver o senso de tolerância dos nossos pequenos – não só entre povos, como também entre os jovens e os mais velhos. Também é perfeito para conhecer melhor as lendas dos povos brasileiros, que não merecem ser esquecidas.

2. Sopa

sopa

Só depois de 15 páginas de belas ilustrações da argentina Raquel Cané que a história escrita realmente começa – e é justamente no momento em que a neta encontra a avó, depois de uma longa viagem de trem para visitá-la. O encontro é celebrado com sopa. A receita, tão saborosa e tão cheia de memórias, é absorvida pela neta, que depois de alguns anos passa a servir o mesmo caldo quente às filhas, em uma continuação das sutilezas da vida.

3. A Avó Adormecida

avo-adormecida

Com a delicadeza que só um bom escritor consegue ter, o italiano Roberto Parmeggiani fala sobre o relacionamento que ele teve com sua avó quando era criança. Carinhos e cumplicidades entre idosos e crianças que a maioria de nós conseguimos nos identificar. E com toda a delicadeza do mundo, Roberto conta como foi passar pela sensação de vazio e impotência com a morte dela. Um livro interessante para crianças maiores, que precisam de uma ajuda extra para entender esse fato da vida tão comum, mas cheio de tabus.